alana-martins

Uma entrevista sobre o mundo feminino das blogueiras com Alana Martins

Já estou tentando fazer algumas entrevistas com algumas blogueiras e confesso o mundo complicado eu não sei se é por causa da fama que algumas já tem e algumas nem mesmo responde ao e-mail. Mas hoje eu consegui (ufa) e fiz uma entrevista com a 1 blogueira aqui no BMO.

O mundo feminino digital esta crescendo e temos alguns nomes em holofotes e ganhando dinheiro na internet disputando com muitos blogueiros (homens). Isso é excelente para o mercado e também incentiva outras mulheres.

Faço parte de alguns grupos de discussões em diversas áreas e conheci a Alana Martins e falei sobre esse espaço para entrevistar e divulgar o trabalho de outros profissionais e ela aceitou passando dicas bem interessantes.

Conteúdo

Agora é a hora da verdade com as famosas perguntas que passei para Alana Martins

alana-martins

1 – Por favor, informe um pouco sobre você, seu trabalho e como chegou ao mundo digital.

Olá, meu nome é Alana, tenho 26 anos e sou fundadora da Implementa Digital. Cheguei até o Marketing Digital por meio de um site de serviços freelancer chamado Workana. Eu estava terminando um mestrado em Zootecnia e minha bolsa tinha terminado, então precisava trabalhar em algo para poder me manter e terminar o mestrado. Conheci o Workana e comecei a trabalhar lá, escrevendo para blogs.

Comecei a me questionar de onde as pessoas tiravam dinheiro para pagar pelo meu serviço, e aí acabei conhecendo o marketing digital, me apaixonando e acabei desistindo do mestrado para seguir esse caminho.

2 – Qual a sua opinião sobre o papel dos blogs como local de informação?

Antes dos blogs todos nós dependíamos das grandes mídias para obter as informações que precisávamos. Se quiséssemos saber alguma notícia tínhamos que ligar a televisão ou ouvir o rádio. E isso era ruim pois ficávamos reféns do ponto de vista da mídia em questão. Quando começaram os blogs, pudemos coletar diversos pontos de vista sobre o mesmo assunto e tirar as nossas próprias conclusões. Acho que isso começou um movimento onde as pessoas passaram a interagir com as informações e não somente consumi-las como antes.

Além disso, com a vinda dos blogs passamos a ter acesso a outros pontos de vista, outros tipos de informações, passamos a ter acesso gratuito a muito conteúdo. Hoje só não aprende quem não quer. Basta dar uma pesquisada no Google que você encontra a informação que precisa.

E os blogs também trouxeram uma outra coisa que eu acho muito legal! Antigamente nós assistíamos a um comercial na televisão e tínhamos que ir até a vizinha ou até alguma amiga para saber se elas já tinham comprado ou não. Muitas vezes acabávamos consumindo coisas sem saber se eram boas ou não. Hoje não. Hoje antes de comprar algo podemos ir até a internet e procurar por resenhas nos blogs.

Apesar da grande quantidade de afiliados, a maioria é sincera e só divulga produtos que realmente considera legal. Então passamos a ter mais acesso a informação e não precisamos mais acreditar no que a televisão ou o rádio dizia.

3 – Qual seria a influência das redes sociais para o desenvolvimento da blogosfera?

Na minha opinião depende. Eu sou especialista em estratégia de conteúdo, então o que eu percebi na teoria e depois na prática com os meus clientes é que as pessoas estão nas Redes Sociais para se divertir, para se distrair, etc.

Então a importância das redes sociais depende muito do seu nicho e do produto que você está oferecendo.

Não adianta você ficar no Facebook tentando vender algo que seja muito sério ou que não tenha a função de divertir o consumidor. As redes sociais foram feitas para divertir e é isso que a sua marca deve fazer nelas. Mesmo quando estiver vendendo, você precisa fazer isso de forma que chame a atenção do consumidor de forma divertida, de forma simples.

Já se você é um blogueiro de games ou de maquiagem, faz muito mais sentido investir nas redes sociais.

Mas não basta investir nas redes sociais, é preciso investir na rede social correta, onde seu público está.

4 – Existe espaço para novas blogueiras? Em qual área?

Eu acho que existe muito espaço para novas blogueiras. E na minha opinião têm espaço em todas as áreas, desde que você apareça com um diferencial!

Por exemplo, tem um monte de blogueira de maquiagem por aí. As meninas ensinam a se maquiar com perfeição. Só que você raramente consegue reproduzir aquilo em casa.

Isso por que a maquiagem tem que ser feita diferente dependendo do tipo de rosto que você tem. Então se alguém criasse um canal onde mostrasse como diversas meninas, com diversos tipos de rosto devem se maquiar, provavelmente seria um sucesso!

E isso vale para as blogueiras de moda também!

Mas além disso eu acho que tem muitas áreas que não são muito bem exploradas.

Por exemplo: um blog sobre vinhos (eu adoraria acompanhar uma blogueira sobre o assunto), um blog sobre café, chá… Sobre culinária mais refinada, enfim, existe MUITA coisa que ainda precisa ser feita por aqui.

5 – Existem várias formas de monetizar um blog. Qual você indicaria?

Eu acho que o segredo está em não deixar todos os ovos em uma cesta só. Então se eu fosse monetizar meu blog, eu colocaria Adsense, mas também trabalharia com afiliados!

6 – Você consegue ganhar dinheiro online? Em qual área?

Consigo sim. Hoje 100% da minha renda é online. Como eu contei para vocês eu comecei com redação para blog, mas hoje ofereço mais serviços além desse. Mas pretendo num futuro próximo começar a trabalhar com alguns sites de nicho e também a vender alguns cursos online.

7 – Para quem esta começando quais são as alternativas de monetização?

Se você está começando eu acho que a melhor opção é a prestação de serviços. Apesar dos grandes Gurus não recomendarem a prestação de serviços por ser algo que raramente é escalável, eu gosto bastante dessa fonte de renda.

Normalmente o retorno financeiro é mais rápido, já que você entrega o serviço e já recebe, o que costuma fornecer um meio de você deixar seu emprego atual, por exemplo.

Já se você quiser algo a médio prazo, recomendo trabalhar com blog e investir pesado em SEO para trazer tráfego qualificado. E monetizar via adsense e produtos afiliados.

8 – Na sua visão quais são os rumos e tendências da blogosfera brasileira feminina?

Eu acho que a blogosfera brasileira feminina ainda está muito focada na moda – beleza – maquiagem. Mas nós podemos fazer o que quisermos e daqui pra frente vão começar a aparecer mais meninas falando sobre outras coisas que são consideradas “de menino”, como games e tecnologia por exemplo.

Uma coisa que eu acho super legal e que tem futuro são as mulheres mostrando a perspectiva feminina de coisas que antes eram consideradas masculinas, como por exemplo o blog “Garotas Geek”.

Seria legal ver um blog sobre meninas em profissões consideradas “masculinas” e como elas se sentem e como estão vencendo o machismo nessas áreas.

9 – Agora tem a nova moda dos “Gurus”. O que você acha disso? No meio feminino também existe?

Quando eu vou atender um cliente eu sempre penso o seguinte: eu não estou lidando somente com o projeto daquele cliente. Eu estou lidando com o sonho de alguém. Estou lidando com pessoas que as vezes tiveram que economizar muito para conseguir pagar pelos meus serviços, estou lidando com pessoas que estão investindo suas ultimas economias na realização de um sonho. E me sinto extremamente responsável por aquilo, por isso eu dou o meu melhor. Muitas vezes faço até mais do que devo e do que fui contratada, meu foco é sempre no resultado.

E estou dizendo isso por que eu acho que é esse o nível de comprometimento que os ditos “Gurus” deveriam ter com o seu público. Atendi muitas pessoas reclamando que compraram o curso X e Y e não tiveram retorno. Que o Guru X prometeu e não cumpriu. Que não deu resultado…

E é por isso que eu realmente não gosto dos Gurus. Eu acho que falta ética, falta transparência no trabalho deles.

E sendo bem sincera, muitos deles dizem vender um milhão de reais, e eu realmente não duvido que eles vendam, mas a pergunta que eu me faço sempre é: eles venderam um milhão, mas quanto eles investiram? Quanto foi o gasto em anúncios, em tráfego, com equipe? Isso eles não mostram. E aí é que a maioria dos consumidores se sente enganado.

Compram os cursos acreditando na promessa de que é “fácil” vender um milhão de reais, mas chega na hora ninguém te ensina o básico, além de ninguém ter te contado que para fazer o tal um milhão você precisa de uma equipe e de um investimento alto.

Quanto as Gurus femininas, elas também existem, mas pelo que eu percebo elas se esforçam um pouco mais para entregar o que prometem. Alguns exemplos de “Gurus” são a Camila Porto, que vende o curso de Facebook ads, Ana Tex que vende curso de Instagram e a Bel Pesce que esteve bem nos holofotes nos últimos tempos.

10 – Já reparei que existe uma boa quantidade de blogueiros divulgando e ganhando dinheiro. Existe no mesmo grau blogueiras ganhado dinheiro? Se não. Qual o motivo?

A maioria das blogueiras que ganham dinheiro hoje são as da área de moda e maquiagem – pelo menos que eu conheço.

Ah tem também as blogueiras sobre maternidade. Esse é um movimento que eu acho super legal. As mulheres ficam grávidas e acabam não querendo voltar para o mercado de trabalho, ou então acabam criando um blog para compartilhar o dia a dia da maternidade e acabam fazendo sucesso.

A maioria dessas blogueiras ganha dinheiro com Youtube, Adsense e com marcas que as procuram pra fazer publieditorial.

A forma que eu acho mais legal de ganhar dinheiro é através dos Publieditoriais, mas para isso você precisa ter um grande número de acessos no seu blog, o que pode demorar um pouco para acontecer.

11 – É verdade que mulher é bem detalhista em termos de blogs?

Nem sempre. Não acho legal essas generalizações. Acho que essa generalização vem por que a maioria das blogueiras femininas são da área de moda e maquiagem, e aí elas precisam investir muito no layout e nos detalhes para poder ter resultado e o público gostar delas.

Em termos de layout eu acho que é uma característica brasileira ser detalhista e se preocupar com a estética. Os blogs americanos por exemplo costumam ser bem mais simples – em termos de estética – do que os nossos.

Mas se for em questão de conteúdo, é mais uma questão de ser comunicadora do que detalhista.

Se é para fazer algo, que seja bem feito.

12 – Antigamente existia o famoso Orkut e hoje ninguém mais fala. O que você acha dessas tendências e quedas de grandes portais ou sites?

Uma das perguntas que costumo fazer no meu briefing é: existe alguma novidade que aconteceu em alguma área semelhante a sua e que se acontecesse na sua, colocaria seu negócio em risco?

Essa tendência não é de hoje e nem é exclusiva do marketing digital. Se pensarmos em tecnologia de forma geral, houve uma época que ouvir fita K7 era super legal. Até surgir o Diskman, até surgir o Ipod.

Então, sempre precisamos estar ligados no mercado e no avanço das tecnologias.

Quem utilizava o Orkut como base do seu negócio pode ter ficado sem opções quando ele acabou ou teve que reconstruir todo o seu network no Facebook quando ele começou a despontar.

Então a melhor opção é sempre investir em algo que seja seu. Por exemplo, apesar das redes sociais serem muito úteis para divulgação, ter um blog garante que se o Facebook acabar, você terá o seu público visitando o seu site!

Sempre que puder tenha algo próprio e evite trabalhar em plataforma de terceiros.

A mesma coisa com o Youtube. Acho super legal criar vídeos e postar lá, mas é sempre bom manter um backup dos vídeos, pro caso dele sumir, você ter para onde correr depois.

13 – Amadorismo e irresponsabilidade nos blogs andam de mãos dadas?

Nem sempre. Acho que muita gente começa no amadorismo e vai se profissionalizando aos poucos. Às vezes as pessoas começam a blogar por prazer, para transmitir uma informação e não pensam em ganhar dinheiro com isso.

Só começam a enxergar essa possibilidade bem depois, e aí sim começam a se profissionalizar.

Eu acho que na verdade a irresponsabilidade vem mais da parte financeira. Em querer ganhar dinheiro logo, em querer lucrar a todo custo. Aí as pessoas acabam fazendo coisas amadoras na tentativa de economizar. E o perigo maior é quando começam a disseminar informações falsas por aí, simplesmente para ter lucro e vendas.

14 – É necessário conteúdo personalizado para cada visitante? Ou deve-se olhar somente os ganhos?

Essa história de personalização em tempo real, conteúdo personalizado é MUITO legal, e realmente converte. Então de certa forma, se você tiver estrutura para fazer isso, eu acho que deve ser feito até por que vai aumentar seus ganhos.

Mas o problema é que muitas vezes deixamos de fazer o básico pois estamos almejando algo muito grande.

Faça o que estiver ao seu alcance. Antes de pensar em conteúdo personalizado, pense em simplesmente gerar o conteúdo. Depois, quando você já estiver gerando o conteúdo e estiver fazendo isso muito bem, aí sim você começa a pensar em evoluir.

Pense sempre no seu cliente, no seu leitor, no seu consumidor. Dinheiro é consequência.

Dinheiro não deve ser nunca o objetivo. Procure dar mais, entregar o seu melhor, e aí dinheiro vira consequência dessa entrega.

15 – Nesse caso da pergunta anterior o erro é do blogueiro ou do conteúdo?

O erro é a busca pelo dinheiro. Precisamos parar de pensar em ganhar tudo, em ganhar acima de tudo e passar a nos preocupar com o que estamos dando para as pessoas.

É por isso que tem tanto “metido a Guru” por aí. Por que as pessoas só visam o financeiro.

Quando você coloca seu coração em algo e faz com amor, com prazer, aí as coisas fluem, o conteúdo converte, o público se comunica com você, você aumenta sua credibilidade e no fim ainda vende.

Essa história de fazer só por dinheiro já era. As pessoas compram o seu motivo, não o seu produto.

As pessoas vão comprar o porquê você escreve, o porquê você está passando aquela informação e não a informação em si.

16 – Conteúdo é a chave do sucesso ou backlinks?

Conteúdo. Conteúdo gera conexão com o público que acaba gerando backlinks.

17 – O que falta acontecer na blogosfera?

Aqui no Brasil falta alguns blogueiros entenderem o real motivo de estarem blogando. Muita gente ainda acha que esse papo de propósito é puro mimimi e enrolação, mas sinceramente, enquanto as pessoas não aprenderem a passar informação consistente, a mostrar o ponto de vista delas e a serem autenticas, não vai funcionar.

Além disso falta umas aulinhas de português. Muita gente começa a escrever para blog e comete alguns erros bem feios. Errar todo mundo erra, mas se você está se propondo a escrever para que milhões de pessoas comprem o que você está oferecendo, para que milhões de pessoas te leiam, o mínimo que você tem que fazer é se comunicar adequadamente.

18 – Atirar sem pensar ou mirar para não errar a forma de monetizar o blog?

Na hora de monetizar dá para pensar em várias formas, mas ainda assim tem que ter uma estratégia por trás.

Se não tem estratégia você atrai consumidor no começo da jornada do consumo, que só quer se informar para páginas de vendas e consumidor no estágio final, que quer comprar para páginas informativas.

Se a monetização for feita de forma estratégica, você consegue grandes resultados mesmo “atirando para todo lado”.

19 – Pensar no Conteúdo ou no SEO?

Não consigo visualizar as duas coisas separadas. Para mim está tudo dentro do mesmo pacote. Para você criar conteúdo de qualidade, você precisa criar conteúdo que seu público queira ler. E isso está incluso no SEO. Para você trabalhar o SEO seu conteúdo precisa estar excelente, se não, não funciona.

Então não tem como separar os dois. Precisa pensar nos dois.

20 – Quais seriam os melhores locais para divulgar um blog?

Em fóruns (ou grupos do Facebook) e de forma orgânica. O grande problema de divulgar as coisas em Redes Sociais é que normalmente as discussões são rasas e rápidas, ou seja, as pessoas não se aprofundam e aí fica mais difícil de construir sua autoridade.

Quando você divulga nos fóruns a probabilidade da discussão se aprofundar e as pessoas realmente estarem interessadas naquilo é maior. Então vai converter mais.

Já o tráfego orgânico você vai atrair pessoas realmente interessadas no conteúdo, já que elas estavam buscando por aquilo, então as taxas de rejeição também são menores.

21 – Informe os seus projetos e a sua visão do futuro para blogosfera.

Eu pretendo lançar alguns blogs de nicho além de trabalhar o SEO e postar mais coisas no meu blog. Como eu normalmente atendo muitos clientes acabo não tendo muito tempo para cuidar dos meus projetos pessoais. Mas se por meio dos clientes eu conseguir tornar a blogosfera um lugar melhor, eu já estou feliz e realizada! Pode visitar o meu blog para conhecer um pouco dos meus trabalhos http://implementadigital.com.br/.

Uma entrevista sobre o mundo feminino das blogueiras com Alana Martins
3.13 (62.55%) 47 votes
-->Aproveite e cadastre seu email abaixo para receber novas atualizações do site. Após colocar o seu email abaixo vai receber um email de confirmação de cadastro não esqueça de clicar.<--

Receba novidades no seu email:

Delivered by FeedBurner

Claudio Gomes

Empreendedor online e offline. Empreendimentos e negócios. Trabalho com Internet Marketing/Negócios Online alguns anos e consegui acumular muitas informações sobre negócios e formas de ganhar dinheiro online. Trabalho com informática e represento uma empresa de perfumaria e cosméticos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*

4 comentários em “Uma entrevista sobre o mundo feminino das blogueiras com Alana Martins

  1. parabens Claudio pelo empenho em trazer conteudo legal e diferente como este… de tudo que é FEED que recebo, os teus valem a leitura e esta entrevista mostra a cara feminina do SEO… bacana.. continue com essa qualidade para nós seguidores…valeu