12 dicas de conteúdo para seu Facebook + (Dicas Bônus)

Conteúdo para seu Facebook

Para isso, confira 12 dicas para ajudá-lo a aumentar essa conversa e melhorar a qualidade do seu conteúdo focado nos seus fãs.

1- Utilize todos os formatos de conteúdo

Cada tipo de postagem tem uma relação de engajamento, por isso é importante que você utilize um pouco de todas: Links, posts sem foto, com foto, com vídeo. Essa variedade gera incremento no seu alcance, o que favorece o engajamento dos seus fãs.

2- Diversifique suas postagens

De cada 10 postagens utilize 2 ou 3 para falar de seus produtos ou promocionais. Assim você mantém o engajamento alto na conversa com os fãs, e garante que os posts de produtos sejam vistos, aumentando a sua chance de retorno (venda). Os outros 7 ou 8 utilize para geração de conteúdo e engajamento.

3- Humanize seu conteúdo

Quanto mais próximo você conseguir chegar do seu consumidor é melhor para a sua marca. A linguagem humanizada pode ajudar a gerar mais conversa, relacionamento e engajamento. Por isso, dependendo do seu negócio você consegue criar um personagem ou ter uma linguagem mais próxima do seu público alvo.

Dois casos clássicos no Brasil são a Magazine Luiza e o Ponto Frio. Os dois tem um personagem com uma forma de linguagem específica que gera bastante engajamento e reconhecimento nas redes sociais.

4- Interaja com os fãs – respondendo comentários

Hoje em dia as pessoas entendem o Facebook como mais um canal de contato entre a empresa e ele. Por isso elas entram na sua página para deixar as suas opiniões comentários, reclamações e etc. O melhor jeito de aumentar o engajamento e aumentar a proximidade dos fãs com a marca é interagir com estes comentários. Na cabeça do consumidor você fica como uma marca preocupada em atender sempre seus consumidores gerando Mind Share na cabeça deles.

5- Seja simples

Vamos combinar que termos técnicos, ou palavras difíceis não ajudam ninguém a entender o que você fala, certo?

Imagine um post: Os pássaros de cores rubicundas e de faces enigmáticas são em geral fleumáticos.

Fácil? Então evite palavras ou frases complicadas. Linguagem simples aumenta a possibilidade de interação além de aumentar o entendimento do conteúdo. Mesmo que seu produto seja bem técnico, transforme-o em algo que mesmo um leigo possa entender.

6- Faça textos curtos e redirecione para o seu site/blog

Você já parou para pensar como as pessoas leem seus conteúdos? Geralmente através da linha do tempo (timeline). Potencialize isso com o fato de que 39 milhões de usuários mensais no Brasil fazem o acesso via celular. Então é importante que você gere interesse nas pessoas através das redes sociais com textos pequenos, e incentive elas a conhecer mais em um outro local que pode ser seu site/ blog/ aba ou onde você desejar.

Coloque links e calls-to-action para seus clientes.

7- Incentive a interação e criatividade

Para ajudar a criar um ambiente de troca e descontraído, procure pedir para seus fãs completarem uma frase, colocarem legenda em um texto, etc. Ações desta forma incentivam o engajamento e aproximam o cliente da marca.

8- Recompense o engajamento

Você sabe quem é o seu Top Fan? A pessoa que mais compartilha os seus conteúdos e gera mais interações e interesses em seu conteúdo? Então está na hora de começar a conhecê-lo e recompensá-lo por isso. Escolha o fã da semana, do mês, os que mais interagem. Premie as pessoas que mais divulgam sua marca, e não precisa necessariamente de produtos ou algo financeiro, muitas vezes uma postagem (desde que permitida) de quem é o top fan já vale muito. Faça seu fã sentir que você presta atenção nele.

9- Ofereça exclusividade

Crie conteúdos em abas exclusivas para seus fãs. Nelas podem ter informações exclusivas, descontos, promoções e etc. Isso é uma forma de valorizar quem já curte sua marca, e você ainda pode ganhar ainda mais fãs que se interessaram por essas ações.

10- Entenda o que os seus fãs gostam e que horas eles estão presentes

Estude os horários e dia da semana que os seus fãs estão online. Dependendo do seu mercado, o horário e dia da semana é bem diferente de outros, então fique atento para maximizar seus resultados.

11- Celebre as datas comemorativas e Eventos

Outra boa opção de engajamento com seus fãs são as datas comemorativas e grandes eventos. Utilize todas as datas que tem a ver com o seu mercado e datas que são de todos, como dia dos namorados, Independência do Brasil.

E falando em eventos este ano temos um dos maiores eventos do mundo que é a copa do mundo da Fifa. Questione os consumidores, resultados dos jogos, quem vai ser o campeão e etc. Eventos de massa chamam a atenção de grande parte da sociedade e podem ser um bom caminho na busca por engajamento.

12- Saiba do que os seus fãs não gostam

E por último e não menos importante, não deixe de verificar o que os seus fãs não gostam.

Às vezes a quantidade de postagens, o conteúdo, o tipo, podem não agradar os seus seguidores e isso faz com que elas deixem de seguir a sua página ou suas postagens. Então para o seu conteúdo não se tornar chato, avalie os feedbacks negativos dos posts e fique de olho nos comentários.

A importância do Marketing de Relacionamento nas Mídias Sociais

O Brasil cada vez mais tem adotado a internet como veículo de comunicação. Ai todo são 77,8 milhões de pessoas que possuem acesso à internet. A Nielsen indica que 86% dos usuários brasileiros acessam as Mídias Sociais, fazendo destas grandes ferramentas para o Marketing de Relacionamento, devido a possibilidade que ela fornece de comunicação com outros usuários e empresas.

As empresas perceberam que utilizando as Mídias Sociais para se comunicarem com os consumidores e prospects é possível gerar valor na marca através de identificação com o consumidor. É possível nas Mídias Sociais estruturar um canal completo de comunicação com o cliente.

Uma pesquisa da Deloitte em 2010 relatou o que as empresas brasileiras fazem nas Mídias Sociais. O estudo constatou que 83% das empresas utilizam as Mídias Sociais para ações de Marketing e divulgação de produtos e serviços; 71% para monitoramento da marca ou mercado; 46% para vendas ou captura de oportunidades; 43% utilizam para suporte ao cliente, fornecedores ou parceiros de negócios; 40% para gestão do conhecimento; 25% identificação de talentos para contratação; 23% integração interna ou suporte a equipes; 17% para desenvolvimento de produtos ou inovação por meio de colaboração e 9% outras opções.

Isso mostra que nem todas empresas fazem o que é fundamental para a sua marca, monitorar o que falam delas e dar suporte ao cliente através das Mídias Sociais. Mas mesmo assim, as que conseguiram perceber isso estão se destacando no mercado, já que atendimento via telefone está cada vez virando sinônimo de estresse e insatisfação.

A Folha publicou recentemente uma pesquisa alegando que através das Mídias Sociais os consumidores estão tendo sua reclamações atendidas mais rapidamente do que no Procon e o 0800 da empresa. Com o Twitter e Facebook levando 5 horas para ter a reclamação resolvida, 5 dias úteis pelo chat e o 0800, e o Procon sem prazo para a resolução. Mostrando que medidas judiciais e burocráticas são ineficazes quando falamos de satisfação do cliente.

De acordo com Vavra o Marketing de Relacionamento tem o objetivo de garantir a satisfação contínua dos clientes, que devem ser identificados, reconhecidos, comunicados, aditados em relação a satisfação e também respondidos.

As Mídias Sociais também favorecem o Marketing de Relacionamento, apoiando em seus objetivos que são gerar interatividade com o consumidor, personalizar o produto ou serviço, memorização dos usuários, receptividade em ouvir o consumidor e orientação para o cliente, já que dá para monitorá-lo.

Percebemos que hoje as Mídias Sociais contribuem e muito para a empresa se relacionar com o cliente, atingindo os seus objetivos, gerando valor e incentivando a compra. E por lado do cliente, este está cada vez mais aberto a relacionamentos com a empresa, envolvendo-se em suas campanhas e reclamando quando necessário.

5 regras do Social Media Optimization

A Otimização Em Mídias Sociais foi um conceito cunhado por Rohit Bhargava há 4 anos atrás que tinha uma idéia simples: tornar o seu site mais fácil de ser linkado em Redes Sociais. Durante esses 4 anos novas características do comportamento online surgiram devido as novas possibilidades de interação, assim as 5 regras que deram origem a SMO evoluíram e passaram a ter seu foco em uma característica dominante do atual panorama da Social Media: Share (Compartilhar).

As novas regras do Social Media Optimization são:

  1. Crie conteúdo compartilhável: Seguindo uma ideia difundida, mas pouco compreendida, torne seu conteúdo interessante o suficiente para que ele seja compartilhado.
  2. Torne seu conteúdo fácil de compartilhar nas Redes Sociais: Seja no Twitter, no Facebook, no Youtube, dentre outros. Sempre dê a opção de gostar, curtir, twittar,… Isto é, conteúdo interessante a um clique de ser compartilhado com a rede de seu usuário.
  3. Recompense o engajamento: Mostre para o seu usuário que você está atento a participação dele como distribuidor do seu conteúdo nas Redes Sociais. Quando um usuário comenta ou compartilha um conteúdo ele apresenta muito mais chances de retornar no seu site (e repetir a ação), por isso fiquem atentos aos usuários que se demonstram mais participativos, eles têm grande valor para você.
  4. Compartilhe seu conteúdo proativamente: Além de twittar sobre seu conteúdo, utilize outras Redes Sociais para dispersá-lo. Crie documentos, PDF´s, PowerPoints e compartilhe em diversas redes (Slideshare, ScribdIssuu, etc.), crie perfis de “vídeo content”, atue em multiplataformas.
  5. Encoraje o “Mashup”: Essa peça chave na otimização em Redes Sociais ainda é mal vista por muitas pessoas que pensam no conteúdo como autoria única. Permitir que o usuário interfira no conteúdo e seja um co-autor do conteúdo é o melhor modo de gerar engajamento e compartilhamento.

Assim, o SMO toma seu direcionamento, mas da mesma forma que sofreu alterações nos últimos 4 anos é quase certo que  mais alterações estejam por vir, pois as Redes Sociais dependem das pessoas e de como acontecem suas relações sociais.

Quem tiver interesse no post original de Bhargava pode acessar seu blog.

Medo que as empresas tem com as redes sociais

Ter a sua empresa nas redes sociais é o que todos os “gurus da internet” estão recomendando. No entanto, poucas estão trabalhando nos meios de comunicação social. Por que isso acontece?

A BL Ochman What´s Next Online criou uma lista de temores que as empresas têm para não entrar nas Mídias Sociais. O trabalho foi feito para revista Advertising Age e achei muito interessante compartilhar com os meus próprios comentários sobre cada ponto.

1 – Os funcionários vão perder tempo

Bloquear o acesso à internet é um padrão das empresas atuais. A maioria dos bloqueios se referem às redes sociais durante o horário de trabalho.

Contudo, com o crescente número de Blackberrys, iPhones, celulares com acesso à Internet, a Internet está disponível para todos e em todos os lugares. Pode ser usada durante os intervalos, na hora do almoço, no banheiro, enfim, em qualquer lugar.

O valor para ter o computador com acesso à internet acelera a pesquisa e comunicação muito mais do que ameaça a produtividade. As empresas podem restringir seu uso e definir políticas de uso e regras, mas o ideal é educar.

2 – Vão causar danos à marca da empresa

E quanto aos trolls? É a primeira questão que surge. São os concorrentes que estão lendo e comentando potencialmente. “E se as pessoas dizem coisas ruins sobre minha marca?”.

Pode haver coisas a melhorar em sua empresa e saber o mais rápido possível se é um bom começo. Talvez até tenha que agradecer a eles. Além disso, se você estiver rodeado de pessoas que leem o seu blog e que se sintam, identificados e envolvidos com a sua marca esta comunidade defenderá de acusações infundadas e dos trolls.

3 – Perder o controle da minha marca

Aqui devemos ser muito claros, quem tem um computador com acesso à Internet (ou pode acessar), que tenha um mínimo de habilidades, tem a capacidade e as ferramentas para dar a opinião pessoal, sobre a marca da sua empresa, ser ouvida por outros usuários.

Eles já estão falando sobre você e sua marca. O controle de mensagem é uma ilusão. 

4 – Trabalhar em Mídia Social requer um orçamento realista

As ferramentas de mídias sociais são gratuitas (pelo menos a grande maioria), e aplicar a aprender a usar leva tempo, experiência e perspectiva. O importante é começar.

5 – Medo que vaze os segredos corporativos

Informações confidenciais podem vazar através da mídia social. É uma possibilidade, da mesma forma que os filtros através de um e-mail ou um telefonema ou uma conversa. Se você não tem politicas para uso destas ferramentas é necessário criar.

Agora se o problema é que você não confia nos funcionários que falam com seus clientes, os que representam a sua marca, o que você precisa é olhar para o processo de recrutamento e seleção e treinar a sua equipe.

Como analisar os resultados da sua página no Facebook (Bônus)

O que é o alcance?

Primeiro, é importante definir o que é o alcance da página e qual a diferença de outra métrica bem parecida, as impressões. O alcance é o número de pessoas únicas que estão vendo sua marca. Enquanto impressões é a quantidade de vezes que sua marca foi mostrada. Por exemplo, se o seu post foi mostrado para 5 pessoas e cada pessoa viu o post 5 vezes, então seu alcance é de 5 e o número de impressões é de

Há uma diferença importante em como tratar as duas métricas. No caso do alcance, você sempre quer que ele seja maior: quanto mais gente vendo sua marca melhor. Já as impressões é importante ter um cuidado maior: é claro que aumenta a chance da pessoa lembrar da sua marca se ela ver um post 3 vezes ao invés de 1 vez só, mas se ela ver 30 vezes o mesmo conteúdo, é provável que ela fique irritada com a marca.

Sobre o próprio alcance, é importante separá-lo entre alcance orgânico, aquele que você não paga nada para ter; e alcance pago, aquele que foi gerado por um investimento em mídia.

Que métricas devo olhar para medir e melhorar meu alcance?

Conforme falamos na introdução, não devemos medir nossa performance por números absolutos visto que eles estão sujeitos a mudanças bruscas devido a fatores como investimento em mídia. Então, é claro que você vai monitorar o Alcance Total da página e dos posts, mas não deve usar essa métrica para tomar decisões ou ter uma visão real de performance.

Mas que métricas eu devo usar?

1)Alcance orgânico dos posts dividido pelo número de fãs

É importante saber quantos dos fãs estão sendo impactados pelos posts da sua página, e já sabemos que a maioria deles não vai ser impactado sem investir em mídia. Porém, é bem possível melhorar essa métrica com bom conteúdo.

E é para saber se está no caminho certo para melhorá-la, que usamos as seguintes métricas:

2) Engajamento dividido pelo alcance e cliques dividido pelo alcance

Apesar de serem métricas de engajamento, é importante ficar de olho nelas, pois aumentando essas métricas, seu Edge Rank* aumenta e os posts são gradualmente mostrados para mais pessoas.

3) Custo por alcance

Todas as métricas que falamos até agora são para medir e maximizar o alcance orgânico. Para medir a performance do alcance pago, a métrica é mais óbvia: use o custo por alcance. Também é importante lembrar que investindo em mídia e divulgação pode melhorar, impactando o alcance orgânico além do pago.

Acabo aqui o guia para medir sua performance quando o Alcance é seu objetivo. Fique ligado nos próximos posts para saber como analisar sua performance e como criar conteúdo para seu Facebook.

Só para não esquecer, todos esses dados podem ser encontrados no Facebook Insights, quando você é administrador de uma página. Use e abuse do facebook como ferramenta de marketing.

12 dicas de conteúdo para seu Facebook + (Dicas Bônus)
5 (100%) 25 votes
-->Aproveite e cadastre seu email abaixo para receber novas atualizações do site. Após colocar o seu email abaixo vai receber um email de confirmação de cadastro não esqueça de clicar.<--

Receba novidades no seu email:

Delivered by FeedBurner

2 Comentários

  1. Bruno dezembro 3, 2017
    • Claudio Gomes dezembro 3, 2017

Deixe uma resposta